Augusto Poiares - 1914-2009
...
Augusto Poiares



1914 - Lisboa - 2009
 
biografia (resumida) - livro de visitas - sobre esta página

- Augusto Nunes Poiares nasceu a 30 de Abril de 1914, no segundo andar do nº21 da Rua de Santo António da Glória. Sito entre a Avenida da Liberdade e o Bairro Alto, a escassos metros da calçada onde diariamente sobe e desce o velhinho elevador da glória...

- Filho de Emília de Sousa Nunes (mãe de 3 filhos e 2 filhas) e Francisco Nunes Poiares, ajudante de veterinário e alfaiate proprietário da "Alfaiataria Nunes" na Praça da Alegria, do qual ficaria órfão aos seis anos de idade.


- Em 1924 ingressou na Casa Pia de Lisboa (com o nº 5087) onde se formou durante 13 anos e viria a tirar o curso industrial. No colégio Pina Manique em Belém, fez recreio nos claustros do Mosteiro dos Jerónimos.

- Entre 1933 e 1937 foi atleta de competição de basquetebol do CPAC (Casa Pia Atlético Clube).



- Em 1935 fez juramento de bandeira e cumpriu serviço militar na especialidade de cavalaria. Foi o número 197 do 3º esquadrão de Lanceiros II. Teve um cavalo chamado "Paxá" que era, segundo as suas palavras, "um animal maravilhoso!".

- A 21 de Junho de 1942 (em plena segunda guerra mundial) casou com a Dona Esperança na sua residência no número 270 da Rua de São Bento. Convidados e amigos festejaram o acontecimento com um passeio de eléctrico e um espectáculo de Revista à Portuguesa no Parque Mayer. Foram casados 66 anos.



- Foi empregado bancário, assistente de realização, figurante, actor secundário, editor, jornalista, fotógrafo amador e as suas actividades preferidas eram o desporto e a cultura.

- Em 1955 fundou o jornal "O Casapiano" do qual foi director durante várias décadas. Foi também sua iniciativa, o programa radiofónico "A Voz do Casa Pia", que foi emitido semanalmente na onda média da Rádio Renascença até Junho de 2008.



- Foi patrono do "Lar Augusto Poiares", inaugurado em 1990 pelo então primeiro-ministro de Portugal, Aníbal Cavaco Silva.

- Nunca tirou a carta de condução, nem tão pouco teve viatura própria. Passou a sua longa vida a andar a pé ou a saltar dos autocarros e eléctricos da Carris para o Metropolitano de Lisboa, e vice-versa. Fazia exercícios de ginástica, todos os dias, pela manhã e antes de se deitar. Facto, apontado pelo próprio, como um dos segredos da sua longevidade.

- Com o passar do tempo, recebeu várias insígnias e condecorações, sendo a "Cruz de Ouro" do Casa Pia Atlético Clube que mais o orgulhava. Mais tarde, recebeu do então presidente da república portuguesa, Jorge Sampaio, o grau de Comendador (Ordem de Mérito) pela sua carreira em prol do desporto nacional.

(1 de Março 2006 - Palácio de Belém)


- Teve uma filha, dois netos e um genro por quem tinha uma enorme consideração e amizade inabalável. Viu nascer e conviveu durante 5 anos com a sua bisneta Madalena, que o tratava carinhosamente por "biso".



- Escreveu e editou dois livros:
(1994) - "Memórias de um Casapiano".
(2005) - "Marcos da minha Vida".

- Em 1995 plantou uma árvore no Colégio Nuno Alvares.

- Nas últimas décadas afirmava frequentemente que o seu objectivo de vida era "durar até aos 100!". Teve uma taxa de sucesso de 94,9%, o que para os dias que correm, diga-se de passagem, é bastante positivo...

- O Sr.Poiares faleceu aos 94 anos na Associação Casapiana de Solidariedade (como era seu desejo) em Pina Manique, Lisboa, cerca das 7:30 do dia 31 de Janeiro de 2009. Choveu dia e noite, tendo havido forte temporal pela madrugada. Era, até à data da sua morte, o mais antigo dirigente desportivo português.

- No dia 1 de Fevereiro, partiu dos Jerónimos para o cemitério de Benfica. O cortejo, acompanhado por familiares; amigos e colegas de longa data, fez uma paragem no estádio Pina Manique para o último adeus do sócio nº19 do Casa Pia Atlético Clube. Era domingo e, apesar de alguns ameaços de chuva, o sol raiou durante boa parte do dia.




(Abril de 2005 - Sr.Poiares e D.Esperança no modesto rés-do-chão do bairro de Alvalade, onde viveram felizes mais de 50 anos)


- "O Augusto Poiares pôs tudo de si em tudo quanto fez. Um homem de causas e de princípios, que bebeu da Casa que o educou o amor pelo trabalho, pela amizade, pela tolerância e pela gratidão. Por onde passou, semeou amizades, lançou pontes, criou laços, e, acima de tudo, nunca renegou as suas origens".

(excerto do prefácio de Adérito Tavares no livro "Marcos da minha Vida")


 
biografia (resumida) - livro de visitas - sobre esta página

© 2004-2009 AugustoPoiares.com
.